quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Habilidades do Goleiro no futsal

http://s.glbimg.com/es/ge/f/original/2013/06/27/orlandia_x_glucosoral6.jpg

Os goleiros de futsal tem algumas características importantes, tanto defensivas quanto ofensivas. Dentre essas características, estão: pegada, reposição, lançamento, defesas altas, defesas baixas, saídas de gol, jogo de quadra.

Defensivas

1. Pegada: é quando o goleiro faz, com as mãos, uma resistência à bola. Quando a bola vem alta, os polegares do goleiro devem voltar-se para dentro. Quando a bola vem baixa e rasteira, os polegares devem voltar-se para fora. E para bolas vindas a altura do tronco, o goleiro deve fazer o encaixe.

2. Defesas altas e baixas: as que são realizadas da linha do quadril para cima.

Enquanto as defesas baixas são do quadril para baixo. Relevante que estas defesas dependerão, minimamente, de duas variáveis: força e velocidade da bola.

Observe:

- para bolas fortes e velozes que vêm na direção do goleiro, sugere-se espalmar.

- Se a bola vier fora do alcance do goleiro, sugerem-se quedas laterais e saltos.

- Para bolas fracas e lentas: sugere-se a pegada.

Ofensivas

1. Reposição: acontece quando, com o uso das mãos, o goleiro coloca a bola em jogo na sua meia-quadra. A reposição deve visar um companheiro bem colocado ou um espaço livre. Deve ser feita com segurança, não expondo a equipe a investidas do adversário.

2. Lançamento: é diferente da reposição apenas num ponto: é feito na meia-quadra de ataque. Com a nova regra do arremesso de meta, onde não é necessário repor abola na sua meia-quadra defensiva, esta habilidade será ainda mais utilizada.

3. Jogo de quadra: caracterizado pela utilização das habilidades domínio(recepção), passe, chute e drible (se for na quadra de ataque). Tanto melhor se o goleiro for hábil nas quatro. Entretanto, minimamente, precisa ser bom pelo menos em duas: domínio e passe ou domínio e chute.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Princípios de jogo de ataque no Futsal


O futsal é uma modalidade classificada de Esporte Coletivo ou Jogo Desportivo Coletivo por possuir as seis variantes atribuídas a esta categoria e enunciar por: uma bola ou implemento similar, um espaço de jogo, adversários, parceiros, um alvo a atacar e outro para defender e regras específicas.

Princípios de jogo de ataque

Conservar a bola;

Progressão avançada dos jogadores com a bola ao gol adversário;

Ataque e finalização à meta contrária para conseguir o gol (VOSER, 2003).

O jogo de ataque consiste em estabelecer critérios que possam criar movimentações e surpreender o adversário, principalmente com jogadas treinadas. Dividindo a quadra em setores, podemos elaborar em séries de estratégias que treinadas podem traduzir em gols. Devemos lembrar que jogadas ensaiadas, são movimentações que não dever ser automatizadas pelo jogador e pela equipe, pois a criatividade e a habilidade fazem parte principalmente do jogo de futsal. A automatização de movimentos limita a equipe para uma liberdade de criação e ações técnicas consideradas importantes. As jogadas ensaiadas podem ser setorizadas em: tiros de meta, saída de jogo, escanteio, lateral, falta e movimentações de quadra conforme marcação do adversário.

Na nova tática do futsal, pouco se utiliza com os atletas a linguagem sistema e tática de jogo. Atualmente, os treinadores buscam desenvolver em suas equipes uma mecânica de jogo (padrão de movimentação) que possibilite a partir desta, uma série de alternativas para que se possa ludibriar o sistema defensivo da equipe adversária. Na maioria das vezes é necessário alguns meses de treinamento para que a equipe consiga executar esta mecânica com naturalidade

Os padrões de jogo são utilizados para uma movimentação de manutenção de posse de bola. Esses padrões visam estabelecer um estágio de equilíbrio na partida e aplicação de futuras jogadas ensaiadas. Algumas equipes utilizam padrões como:

Circular ou redondo: Visam uma movimentação de rodízio de jogadores por toda a quadra, seja pela direita, seja pela esquerda.

Quadrado: Visam uma movimentação em que exista sempre uma penetração de um jogador de defesa, trocando de posição com o pivô.

Penetração diagonal: O jogador de defesa sempre penetrará no ataque com uma movimentação diagonal em relação a linha lateral da quadra.

Penetração paralela: O jogador de defesa sempre penetrará no ataque com uma movimentação paralela à linha lateral da quadra (BELLO, 1998).

segunda-feira, 16 de março de 2015

Dica boa: 4 livros sobre Futsal


http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/06/Futebol_Salao_Pan2007.jpg

Uma grande parte das pessoas que acessam o nosso blog vem por motivos profissionais. Os motivos podem ser vários como tirar uma duvida sobre uma regra, saber mais sobre um treinamento específico ou até mesmo uma curiosidade sobre o esporte.

Sendo assim, separei 4 livros sobre futsal para trazer (AINDA MAIS) conhecimento para quem preocupar saber mais sobre esse esporte sensacional.

Olha a relação dos livros:
Livro - Futsal - Conceitos Modernos

Futsal - Da Iniciaçao Ao Alto Nivel

Livro - Futsal - Aquisição, Iniciação e Especialização

Livro - Futsal: O Berço do Futebol Brasileiro Volume 1

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Saiba mais sobre o arremesso de meta no Futsal



O arremesso de meta caracteriza-se quando a bola atravessar inteiramente a linha de fundo pelo alto ou pelo solo, excluída a parte compreendida entre os postes e sob o travessão de meta, após ter sido tocada ou jogada pela última vez por atleta de equipe atacante. Deverá ser devolvida ao jogo exclusivamente pelo goleiro, com as mãos, para além de sua área de meta, de qualquer ponto dela. Na devolução, a bola não poderá ultrapassar a linha do meio da quadra sem que toque no solo ou num jogador.

O arremesso do goleiro identifica-se pelo ato de ele soltar a bola das mãos, repondo-a diretamente em jogo, depois de inteiramente segura. O simples fato de espalmar ou impulsionar a bola, sem segurar a mesma, não será considerado como arremesso.

O arremesso lateral caracteriza-se quando a bola atravessa inteiramente as linhas laterais, quer pelo solo, quer pelo alto. O retomo da bola à quadra de jogo dar-se-á por um arremesso com os pés no exato lugar em que saiu, em qualquer direção, executado por um atleta da equipe adversária àquela que tocou a bola por último.

O arremesso de canto caracteriza-se quando a bola ultrapassar inteiramente a linha de fundo (excluída a parte compreendida entre os postes de meta e sob o travessão) quer pelo solo, quer pelo alto, após ter sido tocada ou jogada pela última vez por um atleta da equipe que estiver na defensiva. O arremesso será executado por um dos atletas da equipe adversária, com o uso dos pés, exclusivamente, e nesse, momento o executor do arremesso deverá ter uma parte do pé apoiada no solo, podendo pisar em parte das linhas laterais ou de fundo ou, ainda, do lado de fora delas. O arremessador terá a sua frente voltada para o vértice do ângulo formado pelas linhas lateral e de fundo, no ponto em que se junta

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Tudo sobre Treinamento de Futsal!


O kit de 8 dvds de Futsal está com uma promoção especial até o fim do mês de Janeiro de 2015. São apenas 5 kit disponibilizados.

Olha a relação dos dvds que compõe esse kit com oito dvds, todos em Português:

Treinamento Tático
Treinamento Técnico
Treinamento Defensivo
Treinamento de Goleiros
Jogadas ensaiadas - Teoria
Jogadas ensaiadas no Tiro Lateral
Jogadas Ensaiadas no Tiro de Meta
Jogadas ensaiadas em Cobrança de Falta

Vai perder essa chance? Veja aqui essa promoção


* Post patrocinado

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Aplicação de força em categorias de base no futsal


http://www.paulistafutebolclube.com.br/wp-content/uploads/2011/11/DSCN0421.jpg

   Para o desenvolvimento de um programa de treinamento de força destinado às crianças e adolescentes, deve seguir os mesmos passos do desenvolvimento de um programa para adultos. Porém algumas orientações devem ser seguidas para que o treinamento possa ser realizado em condições favoráveis, tanto para a segurança quanto para o melhor aproveitamento dos participantes.


    Os exercícios do programa de treinamento devem ser escolhidos de acordo com a faixa etária, com o nível de condicionamento, com o nível de conhecimento e coordenação, assim como a experiência prévia em exercícios físicos (CAMPOS, Arruda, 2004).

    Com crianças, a sobrecarga de um treinamento integrado para melhorar a força específica do futsal é suficiente com exercícios simples, fortalecendo as musculaturas que não estão envolvidas no jogo.

    A aplicação da força no treinamento está dividida em categorias pelas diferenças etárias, que possuem níveis maturacionais diferentes. Weineck (2004) subdivide as faixas etárias da seguinte forma:

a.     Categoria de 6 até 10 anos

    O principal objetivo nesta categoria é o fortalecimento do aparelho locomotor e da musculatura responsável pela postura de jogo, de forma multidisciplinar, variada e harmônica (com os dois lados do corpo).

    O treinamento deve ser integrado com bola, ser divertido e estar relacionado com a formação geral da coordenação.

    Até o décimo ano de vida é caracterizado pelo jogo livre, devendo também ser jogado com as mãos para enfatizar a visão periférica, que posteriormente vai contribuir para o desenvolvimento da criança no jogo.

    O treinamento de força deve ser realizado de maneira dinâmica, em função da baixa capacidade anaeróbica apresentada pelo indivíduo infantil (WEINECK, 2003).

    Segundo as pesquisas de Dieckmann; Letzelter (apud WEINECK, 2003) demonstram que o treinamento de força rápida é apropriado, de forma especial, nessa etapa. As recomendações de um treinamento de força nessa etapa é de duas vezes por semana, durante 12 semanas (30 a 45 minutos), para obtenção de ganhos na força rápida (força de salto, de chute e de sprint).

b.     Categoria de 10 até 12 anos

    Nesta faixa etária que é caracterizada pelo início da puberdade (em meninas com 11/12 anos e em meninos com 12/13 anos), ocorre um fortalecimento dos mais importantes grupos musculares.

    Trabalhos com o próprio peso corporal ou com utilização de medicine ball, e ainda com anilhas, fornecem uma sobrecarga adequada para esta faixa etária (WEINECK, 2004).

    Exercícios para o fortalecimento da musculatura abdominal, dorsal, extensora de braço, exercícios para força de salto podem ser mais elaborados, porém devem continuar sendo organizados de forma recreativa recomenda Weineck (2004).

c.     Categoria de 11 até 15 anos ou Pubescência

    A pubescência pode ser dividida em Pubescência (primeira fase puberal) e Adolescência (segunda fase puberal).

    Devido ao estirão de crescimento na primeira fase puberal ocorre uma desarmonia passageira nas proporções corporais. Esta faixa etária sofre uma série de modificações morfológicas e funcionais devido a secreção de hormônios do crescimento e sexuais, é extremamente delicada a sobrecargas de treinamento de forma errada e exercícios de caráter unilateral duradoura, pois estas sobrecargas terão reflexo direto na região da coluna (WEINECK, 2004).

    "Crianças e adolescentes com um crescimento retardado devem ser sobrecarregados de forma cautelosa, especialmente no treinamento de força" (WEINECK, 2004, p. 346). Nesta faixa etária, a força geral deve ser paralelamente desenvolvida com a força específica e os seus requisitos próprios do condicionamento (BENEDEK, 1987). "Sendo que a força básica geral é treinada através de circuitos, lutas de empurrar e puxar e exercícios com aparelhos". (WEINECK, 2003, p. 372).

d.     Categoria de 15 até 18 anos ou Adolescência

    Neste período ocorre o desenvolvimento lateral, onde se apresentam uma harmonia das proporções corporais e o aumento das concentrações de testosterona.

    A adolescência representa a faixa etária com a mais alta treinabilidade. Nesta faixa etária podem-se comprovar as mais altas taxas de crescimento da força (KOMADEL; ZURBRUGG apud WEINECK, 2004).

    Devido à estabilização do sistema esquelético, pode-se utilizar métodos de treinamentos adultos, porém com o volume sobrepondo a intensidade. Além disso, nesta fase, como a capacidade aeróbia já está bem desenvolvida, pode-se utilizar exercícios que causem fadiga local (estes devendo ser empregados com cautela).

    Como se pode avaliar nas explicações anteriores, no treinamento de força, em crianças e em adolescentes, ocorrem transformações dos conteúdos. Embora encontra-se exercícios de força na forma de jogos em todas as faixas etárias, com o passar do desenvolvimento, estes são substituídos por exercícios mais específicos e com uma ligação técnico-tático (WEINECK, 2004).

    Portanto, programas que são planejados para atletas profissionais nunca devem ser realizados por pré-púberes ou púberes, pois a capacidade de atletas profissionais em elevar peso, faz parte de anos em experiência de treinamento e de um desenvolvimento morfofuncional maduro. Forçar indivíduos pré-púberes e púberes a realizar um treinamento de atletas com mais experiência, os levará ao estresse e conseqüentemente resultar em graves lesões.

    O futsal hoje é um esporte que faz parte da cultura brasileira exercendo uma grande influência na formação dos jovens. Observa-se que a cada ano ocorre um aumento considerável de crianças e jovens participando de programas de treinamento e iniciação esportiva.

    Para que o jovem tenha um desenvolvimento psicofísico harmonioso, deve-se dar a ele uma dose de movimento, de maneira controlada e planejada (GOMES, 2008).

    O treinamento de força em crianças e adolescentes tem obtido aceitação e popularidade principalmente porque os ganhos em força podem ocorrer, o desenvolvimento ósseo pode ser acentuado e as lesões em outros esportes e atividades podem ser prevenidos com o aperfeiçoamento de programas de treinamento apropriados. Quando planejar um programa, considere o desenvolvimento e as diferenças físicas entre as crianças, a tolerância ao exercício e os aspectos de segurança, de tal modo que as lesões agudas e crônicas sejam minimizadas e os benefícios para os participantes sejam maximizados.

Veja a bibliografia aqui

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Tipos de chute no Futsal


http://vmulher5.vila.to/interacao/5904628/pilates-e-futsal-mais-flexibilidade-para-o-chute-142590-1.jpg

O Chute é o primeiro fundamento o Futsal que a criança aprende. Muito por estimulo familiar, mesmo que não seja com a "técnica", é cultural uma criança, ao ver uma bola, chutar para aonde está virado.

Saiba mais todos os Esportes
 
Sendo assum, num jogo de futsal, chutar é o ato de bater na bola com os pés com determinado objetivo. Esse destino pode ser a retirada da bola de jogo, acertar outro jogador e, claro, fazer o gol. Dentro do jogo, ele tem dois objetivos: o defensivo (aquele que buscar afastar o perigo do ataque adversário) é feito de forma mais instintiva, portanto não exige muita técnica e o ofensivo (busca fazer o gol) requer percepção do posicionamento do goleiro adversário, noção de força, precisão e habilidade.
 
Pode ser, assim como o passe, feito com a parte interna no pé, com a externa (trivela), com o peito do pé, calcanhar e bico. Geralmente só chute é feito próximo a trave para dificultar a defesa do goleiro, mas outras técnicas, como chutar no "contra-pé" do goleiro, por cobertura ou colocado, também são importantes para uma boa finalização.
 
Tipos de Chutes
 
Chute Simples: Esse chute é batido com a parte interna ou dorso do pé. Com ele há mais probabilidade de conseguir que esse fundamento seja bem executado.

Chute de bate-pronto: Realizado imediatamente no momento em que a bola toca o chão.

Chute de voleio: Realizado com a bola no ar.

Chute de Bico: Costuma ser o chute mais fácil e realizado com a ponta do pé. Ele não costuma ser muito preciso pelo pouco espaço de contato. Chute por Cobertura: Com o pé por baixo da bola é possível fazer com que ela ganhe altura.
 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...