Aplicação de força em categorias de base no futsal







http://www.paulistafutebolclube.com.br/wp-content/uploads/2011/11/DSCN0421.jpg

   Para o desenvolvimento de um programa de treinamento de força destinado às crianças e adolescentes, deve seguir os mesmos passos do desenvolvimento de um programa para adultos. Porém algumas orientações devem ser seguidas para que o treinamento possa ser realizado em condições favoráveis, tanto para a segurança quanto para o melhor aproveitamento dos participantes.


    Os exercícios do programa de treinamento devem ser escolhidos de acordo com a faixa etária, com o nível de condicionamento, com o nível de conhecimento e coordenação, assim como a experiência prévia em exercícios físicos (CAMPOS, Arruda, 2004).

    Com crianças, a sobrecarga de um treinamento integrado para melhorar a força específica do futsal é suficiente com exercícios simples, fortalecendo as musculaturas que não estão envolvidas no jogo.

    A aplicação da força no treinamento está dividida em categorias pelas diferenças etárias, que possuem níveis maturacionais diferentes. Weineck (2004) subdivide as faixas etárias da seguinte forma:

a.     Categoria de 6 até 10 anos

    O principal objetivo nesta categoria é o fortalecimento do aparelho locomotor e da musculatura responsável pela postura de jogo, de forma multidisciplinar, variada e harmônica (com os dois lados do corpo).

    O treinamento deve ser integrado com bola, ser divertido e estar relacionado com a formação geral da coordenação.

    Até o décimo ano de vida é caracterizado pelo jogo livre, devendo também ser jogado com as mãos para enfatizar a visão periférica, que posteriormente vai contribuir para o desenvolvimento da criança no jogo.

    O treinamento de força deve ser realizado de maneira dinâmica, em função da baixa capacidade anaeróbica apresentada pelo indivíduo infantil (WEINECK, 2003).

    Segundo as pesquisas de Dieckmann; Letzelter (apud WEINECK, 2003) demonstram que o treinamento de força rápida é apropriado, de forma especial, nessa etapa. As recomendações de um treinamento de força nessa etapa é de duas vezes por semana, durante 12 semanas (30 a 45 minutos), para obtenção de ganhos na força rápida (força de salto, de chute e de sprint).

b.     Categoria de 10 até 12 anos

    Nesta faixa etária que é caracterizada pelo início da puberdade (em meninas com 11/12 anos e em meninos com 12/13 anos), ocorre um fortalecimento dos mais importantes grupos musculares.

    Trabalhos com o próprio peso corporal ou com utilização de medicine ball, e ainda com anilhas, fornecem uma sobrecarga adequada para esta faixa etária (WEINECK, 2004).

    Exercícios para o fortalecimento da musculatura abdominal, dorsal, extensora de braço, exercícios para força de salto podem ser mais elaborados, porém devem continuar sendo organizados de forma recreativa recomenda Weineck (2004).

c.     Categoria de 11 até 15 anos ou Pubescência

    A pubescência pode ser dividida em Pubescência (primeira fase puberal) e Adolescência (segunda fase puberal).

    Devido ao estirão de crescimento na primeira fase puberal ocorre uma desarmonia passageira nas proporções corporais. Esta faixa etária sofre uma série de modificações morfológicas e funcionais devido a secreção de hormônios do crescimento e sexuais, é extremamente delicada a sobrecargas de treinamento de forma errada e exercícios de caráter unilateral duradoura, pois estas sobrecargas terão reflexo direto na região da coluna (WEINECK, 2004).

    "Crianças e adolescentes com um crescimento retardado devem ser sobrecarregados de forma cautelosa, especialmente no treinamento de força" (WEINECK, 2004, p. 346). Nesta faixa etária, a força geral deve ser paralelamente desenvolvida com a força específica e os seus requisitos próprios do condicionamento (BENEDEK, 1987). "Sendo que a força básica geral é treinada através de circuitos, lutas de empurrar e puxar e exercícios com aparelhos". (WEINECK, 2003, p. 372).

d.     Categoria de 15 até 18 anos ou Adolescência

    Neste período ocorre o desenvolvimento lateral, onde se apresentam uma harmonia das proporções corporais e o aumento das concentrações de testosterona.

    A adolescência representa a faixa etária com a mais alta treinabilidade. Nesta faixa etária podem-se comprovar as mais altas taxas de crescimento da força (KOMADEL; ZURBRUGG apud WEINECK, 2004).

    Devido à estabilização do sistema esquelético, pode-se utilizar métodos de treinamentos adultos, porém com o volume sobrepondo a intensidade. Além disso, nesta fase, como a capacidade aeróbia já está bem desenvolvida, pode-se utilizar exercícios que causem fadiga local (estes devendo ser empregados com cautela).

    Como se pode avaliar nas explicações anteriores, no treinamento de força, em crianças e em adolescentes, ocorrem transformações dos conteúdos. Embora encontra-se exercícios de força na forma de jogos em todas as faixas etárias, com o passar do desenvolvimento, estes são substituídos por exercícios mais específicos e com uma ligação técnico-tático (WEINECK, 2004).

    Portanto, programas que são planejados para atletas profissionais nunca devem ser realizados por pré-púberes ou púberes, pois a capacidade de atletas profissionais em elevar peso, faz parte de anos em experiência de treinamento e de um desenvolvimento morfofuncional maduro. Forçar indivíduos pré-púberes e púberes a realizar um treinamento de atletas com mais experiência, os levará ao estresse e conseqüentemente resultar em graves lesões.

    O futsal hoje é um esporte que faz parte da cultura brasileira exercendo uma grande influência na formação dos jovens. Observa-se que a cada ano ocorre um aumento considerável de crianças e jovens participando de programas de treinamento e iniciação esportiva.

    Para que o jovem tenha um desenvolvimento psicofísico harmonioso, deve-se dar a ele uma dose de movimento, de maneira controlada e planejada (GOMES, 2008).

    O treinamento de força em crianças e adolescentes tem obtido aceitação e popularidade principalmente porque os ganhos em força podem ocorrer, o desenvolvimento ósseo pode ser acentuado e as lesões em outros esportes e atividades podem ser prevenidos com o aperfeiçoamento de programas de treinamento apropriados. Quando planejar um programa, considere o desenvolvimento e as diferenças físicas entre as crianças, a tolerância ao exercício e os aspectos de segurança, de tal modo que as lesões agudas e crônicas sejam minimizadas e os benefícios para os participantes sejam maximizados.

Veja a bibliografia aqui


Comente:

Tecnologia do Blogger.